ESTRATÉGIA

Ideia de Trump de intervenção militar na Venezuela ganha força

Ideia de Trump de ''opção milita'' para Venezuela, antes rechaçada, começa a ganhar força nos círculos políticos dos Estados Unidos

Ideia de Trump de ”opção milita” para Venezuela, antes rechaçada, começa a ganhar força nos círculos políticos dos Estados Unidos (Divulgação)

Ideia de Trump de intervenção militar na Venezuela ganha força

Mes de Vacinação - Prefeitura de Anápolis

Quando o presidente dos EUA, Donald Trump, disse há um ano que os EUA estavam estudando uma “opção militar” para a Venezuela, quase ninguém em Washington achou que fosse uma boa ideia.

Atualmente, à medida em que a Venezuela mergulha em direção a uma ditadura e entra em colapso, desencadeando a migração de milhões de pessoas, o apoio a uma medida desse tipo é discutido abertamente.

A ideia de usar a força para derrubar o governo do presidente Nicolás Maduro está ganhando adeptos — embora continue sendo uma visão claramente minoritária.

Marco Rubio, senador republicano pela Flórida, disse no mês passado que há anos procura uma solução pacífica para a Venezuela, mas que agora há uma “razão muito forte” segundo a qual o país é uma ameaça à segurança da região e dos EUA, o que exige o uso das forças armadas americanas.

Neste mês, em discurso em Cúcuta, cidade da fronteira com a Colômbia que é o principal ponto de passagem dos imigrantes, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, disse que uma intervenção militar não deve ser descartada, embora mais tarde ele tenha sugerido que foi mal interpretado.

Novo debate

O próprio Trump não voltou atrás.

Na terça-feira, nas Nações Unidas, ele disse aos jornalistas que lhe perguntaram sobre a intervenção militar que ele não tinha intenção de divulgar seus planos, e acrescentou:

“É um regime que francamente pode ser derrubado muito rapidamente pelos militares, se os militares decidirem fazer isso”.

Na manhã seguinte, ele disse que estaria disposto a se encontrar com Maduro na ONU nesta semana se isso “salvasse vidas”.

Fernando Cutz, que foi até o ano passado conselheiro para a América do Sul no Conselho de Segurança Nacional, disse no Wilson Center, na segunda-feira, que uma intervenção militar multilateral poderia ser a melhor solução para a Venezuela.

Um dos motivos da mudança de opinião é que os militares venezuelanos, considerados como a espinha dorsal do apoio ao governo, estão mostrando dissidências cada vez maiores.

Nos últimos 12 meses, houve várias pequenas tentativas militares de derrubar Maduro, entre elas o uso de um drone armado em um desfile militar.

Alguns proeminentes exilados venezuelanos também estão apoiando a ideia. Líder de oposição Antonio Ledezma pediu “intervenção humanitária” e o professor Ricardo Hausmann, economista de Harvard que foi ministro do Planejamento nos anos 1990, disse que uma solução para a crise é “contingente à mudança de regime”.

Por sua vez, o governo venezuelano intensificou a repressão, usando as tentativas de golpe e a ameaça de um ataque como pretexto para prender líderes da oposição.

Intervenções militares dos EUA por diversas vezes deram errado e vêm carregadas de bagagem histórica.

Séculos desse tipo de medida geraram hostilidade na América Latina e qualquer movimento liderado por Washington para derrubar Maduro enfrentaria a oposição dos vizinhos da Venezuela.

Neste mês, os governos do chamado Grupo de Lima, que inclui Brasil, México, Peru e Chile, emitiram uma declaração rejeitando o uso ou a ameaça de força na Venezuela.

Alguns apoiaram outras tentativas de pressionar o governo de Maduro por meio de sanções contra altos funcionários e da apresentação da situação no Tribunal Penal Internacional.

Ao mesmo tempo, quase nenhum dos países vizinhos defende mais a legitimidade do governo venezuelano.

“Houve uma mudança em termos de aceitar que é uma ditadura”, disse o presidente da Argentina, Mauricio Macri, na segunda-feira, em entrevista à Bloomberg em Nova York, acrescentando que ele se opõe a uma intervenção militar.

“Todo mundo aceita que não é mais uma democracia.”

Dentro dos EUA também há muita oposição.

Isso “levaria a uma grande preocupação com o renascimento da interferência dos Estados Unidos na América Latina, e está longe de ficar claro que seja uma solução para resolver qualquer um dos problemas de refugiados e da população”,

disse Anthony Cordesman, que ocupa a Cátedra Arleigh A. Burke em Estratégia do Center for Strategic and International Studies em Washington.

Link original da matéria:
https://www.24horasnews.com.br/noticia/ideia-de-trump-de-intervencao-militar-na-venezuela-ganha-forca.html

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Leave a Comment

    Protected by WP Anti Spam