“Sábado de Paz”

Shabat Shalom. Você acredita em Deus?

Literalmente, Shabat Shalom significa “Sábado de Paz”, mas também pode ser interpretado como “paz no seu descanso semanal”, e costuma ser usado entre os judeus durante o período do Shabbat, que começa ao pôr-do-sol de sexta-feira e termina no pôr-do-sol de sábado.           ( Imagem :  Loveforhispeopl)
Literalmente, Shabat Shalom significa “Sábado de Paz”, mas também pode ser interpretado como “paz no seu descanso semanal”, e costuma ser usado entre os judeus durante o período do Shabbat, que começa ao pôr-do-sol de sexta-feira e termina no pôr-do-sol de sábado. ( Imagem : Loveforhispeopl)

Shabat Shalom. Você acredita em Deus?

Quero me preparar para o inicio do Shabat respondendo a essa questão fundamental.

Eu não estou te perguntando se você tem a capacidade de imaginar a existência de um Princípio Criador ou de um Ser Supremo.

Essa pergunta só faz sentido para mim, se for posta no seguinte termo:

Você reconhece a validade de D’us em sua vida e qual a importância que você estabelece para isso? Ou seja, qual o grau de importância que você atribui para D’us no conjunto de sua existência?

Quando eu publico um provérbio ou uma pérola qualquer da sabedoria judaica, estou comprometido em levar até você, os valores que nos foram dados pelo Criador. Meu objetivo nunca foi o de receber likes, muito menos o de criar esteticamente belas imagens.

O objetivo é levar você a se comprometer com aquele valor expresso. Quando você verdadeiramente faz isso, está respondendo a minha pergunta inicial. Sim. Eu acredito em D’us e escolho voluntariamente viver segundo os seus ensinamentos, praticando-os. Se você acredita em D’us apenas quando pensa na morte e busca um salvo-conduto para o paraíso, você não está comprometido com D’us.

Para o judaísmo, D’us é relevante na medida que compreendemos a existência de um propósito para a nossa vida. Ou seja, não recebemos o presente da vida para gozarmos relaxadamente de férias na terra. O planeta não é uma colônia de férias e a vida não é um pacote promocional.

Se lançamos mão do raciocínio mais básico de nossa lógica, como podemos responder a uma existência sem nenhum propósito específico? Nada faria sentido, muito menos um percurso em média de 70 anos. Aceitar essa anomia religiosa, seria o mesmo que dizer que todo nosso esforço seria em vão e, isso, nos levaria a um estado de permanente deriva no mar da existência.

Nossa razão, nossas emoções e nossos instintos, nos conduzem a outras paragens, apontando sempre na mesma direção. E que direção é essa? A do Criador. Ele nos deu um propósito e esse propósito é nos aproximarmos D’Ele. No caminho para chegarmos a Ele devemos usar o melhor de nossos recursos. E qual é o maior deles? A FÉ. A fé é o caminho, pois onde nossa capacidade de compreensão falha, recorremos a sabedoria da Neshamá.

Nossa Alma conhece as respostas e sabe qual o caminho para encontrarmos D’us. Isso só é possível, porque nossa Alma sempre esteve conectada a D’us. Por isso, podemos dizer que a fé é a crença de que D’us é o propósito mesmo da vida. A alma humana não quer apenas estar conectada ao Divino. Queremos voltar ao Pai. Cada um de nossos atos pode ser um retorno a D’us.

Não comemos frutos do mar, porque devemos manter nossos corpos limpos de impurezas. Devemos manter nossos corpos limpos, para podermos nos conectar mais facilmente a D’us. Nossas leis e tradições existem para cumprir essa finalidade. Cada uma delas, tende a um mesmo propósito: Nos aproximarmos de D’us. Mesmo aquelas leis que não parecem fazer sentido, cumprem essa mesma finalidade.

É fácil renunciar ao bacon, pois é absolutamente compreensível que essa carne não é adequada para seu consumo, mas o que dizer do uso do Talit Gadol pelas manhãs na sinagoga? Ainda que possamos dar inúmeras explicações acerca da importância de seu uso, serão todas sempre de natureza metafórica. Nós não sabemos a exata razão para seu uso apenas pela manhã, mas seguimos usando conforme estabelece nossa tradição.

Porque fazemos isso? Fé.

Temos guardado, contra tudo e contra todos, nossa fé nas instruções que recebemos no Sinai. A história seguiu o seu curso, mas nada realmente mudou e mesmo o mundo que conhecemos, apenas em aparência se apresenta de forma distinta. As mesmas Almas com suas qualidades e vícios em busca do retorno à D’us. Nossas cidades mudaram, mas o céu que nos cobre, o vento que sopra e a chuva que cai, segue sendo a mesma.

É a mesma criação que Noah herdou e, de onde ainda hoje, tiramos nosso pão. Simplifique o seu olhar e você vai encontrar D’us em tudo. Quando você alcançar esse nível de compreensão, sua conexão vai se amplificar, uma vez que D’us passará a fazer parte de sua vida em tudo que você faz. Nesse momento, você poderá dizer: Sim, eu creio.
Shabat Shalom.

Literalmente, Shabat Shalom significa “Sábado de Paz”, mas também pode ser interpretado como “paz no seu descanso semanal”, e costuma ser usado entre os judeus durante o período do Shabbat, que começa ao pôr-do-sol de sexta-feira e termina no pôr-do-sol de sábado.

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Veja mais

    Deixe seu comentário

    Protected by WP Anti Spam