Estilo / Comportamento

Carlos César Santos

Trajetória Profissional – Cesinha

Anápolis tem um profissional gabaritado e com um futuro avassaldor mesmo estando fora , em 2000 , foi convidado,e retornou a Anápolis, exercendo o cargo de Chefe da divisão de atividades culturais da Secretaria Municipal de Cultura, em que foi, também, criador e editor da Revista Estação da Cultura.

Por 5 votos a 0, STJ rejeita recurso de Lula contra prisão
6 de março de 2018
Em ação do MP, deputado é condenado a pagar multa de 6 vezes o valor do seu salário
6 de março de 2018

Carlos César Santos (Cesinha) começou sua trajetória no Teatro, na década de 80, em Anápolis, sua cidade natal. ( Foto:Alan Florentino  )

Carlos César Santos (Cesinha) começou sua trajetória no Teatro, na década de 80, em Anápolis, sua cidade natal.

Em meados dos anos 80 projetou sua carreira para São Paulo e Bahia. Dentre vários trabalhos realizados, nestes estados, destacou-se na atuação da obra imortal de João Cabral de Melo Neto, o espetáculo Morte e Vida Severina.

Por volta de 1987, dirigiu-se à cidade do Rio de Janeiro, contratado pela Empresa de Produções Artísticas, MEG Produções, em que trabalhou com agenciamento de atores e figurantes para comerciais e programas de TV, filmes e produções artísticas em geral.

Devido ao seu destaque profissional, em 1989, foi convidado para retornar a Anápolis como Chefe de Produção Comercial, da então, TV Tocantins, atualmente TV Anhanguera (Repetidora Globo).

Anos mais tarde, foi, também, Chefe de Produção Comercial na TV Brasil Central (Repetidora TV Cultura), estatal do Governo de Goiás, com sede em Goiânia. Em seguida, foi Assessor Publicitário da Junta Comercial do Estado de Goiás e Assessor de Imprensa da Secretaria da Indústria e Comércio de Goiás.

Em 2000, abriu sua própria empresa de produções, em Goiânia, direcionada à publicidade para Rádio e TV, Vídeos Institucionais, Materiais Gráficos e Campanhas Políticas. Convidado,  no ano 2000  retornou novamente para Anápolis, exercendo o cargo de Chefe da divisão de atividades culturais da Secretaria Municipal de Cultura, em que foi, também, criador e editor da Revista Estação da Cultura.

Na mesma ocasião, foi membro julgador da primeira audição de atores para criação da Companhia Anapolina de Teatro (CAT) e Assessor de Imprensa da Secretaria de Saúde.

Com a finalização de seu trabalho na gestão pública, remanejou sua empresa de Goiânia para Anápolis e a manteve em sua administração até 2009, quando, então, mudou-se para Londrina-PR a convite da presidência do Grupo Educacional INESUL (Instituto de Ensino Superior de Londrina), para assumir os cargos de Assessor de Comunicação e Diretor da TV Web desta instituição. Na oportunidade, surgiu um concurso de Curta Metragem, em nível nacional, em que realizou o vídeo institucional intitulado

“ O Grupo INESUL também é responsável pela sociedade”,

recebendo, assim, o prêmio Silvio Tendler de Curtas de Responsabilidade Social das IES (Instituições de Ensino Superior).

Em 2010, volta a Anápolis e abre uma nova produtora, Produção ILTDA. Produz, então, o Curta Metragem “(Entre)”, vencedor do I Anápolis Festival de Cinema.

Na mesma época, por conta de sua experiência educacional no Paraná, começou, também, a ministrar cursos nas áreas de produção cinematográfica, iluminação e fotografia. Nos segundo e terceiro festivais foi diretor de Making Of e participou, ainda, com o Curta Documentário

“Bokemboka, a Trajetória de Washington, seu Menino”.

Foi, em 2011, Diretor de Fotografia do Curta Documentário “Projeto Vida Viva”, da conceituada Companhia Carroça de Mamulengos.

Em 2013 foi contemplado pelo 1º Fundo Estadual de Cultura de Goiás, para produzir o Curta Documentário “Do Gramofone à Grande Tela”, sendo estreado em 2015.

Durante os 18 meses seguintes, este documentário circulou nos festivais

“Festival de Cinema de Maracanaú-CE”, “Goiânia Mostra Curtas” e “VI Anápolis Festival de Cinema”.

Concomitantemente, trabalhou como ministrante de oficinas e cursos nos projetos

“Cine Pipoca” e “Arte e Educação Ambiental” realizados pelo SESC.

Continuou ministrando cursos e oficinas de produção, iluminação e fotografia, workshops, produzindo Curtas Metragens, realizando projetos sociais para a comunidade carente, isso tudo, com o intuito de estimular e facilitar a aquisição de novos conhecimentos, voltados principalmente para o audiovisual.

Com uma proposta inovadora, lançou em 2017, o Curta Documentário “Volta”. Um experimento, em que, Carlos César (Cesinha), produz, dirige, opera câmera, faz som direto, fotografia, montagem e finalização. ‘’Volta’’ participou da etapa estadual GO da Mostra Sesc de cinema.

No mesmo ano, em setembro, Carlos César (Cesinha) foi homenageado na

‘’Noite de Cinema Carlos César – Cesinha’’ do VII FestCine Goiania com os filmes ‘’Entre’’, “Do Gramofone à Grande Tela” e “Volta”

Em outubro aconteceu a ‘’Mostra de cinema anapolino com Carlos César Cesinha’’, no teatro do Instituto Federal de Goiás campus Anápolis (IFG) com os filmes ‘’A Trajetória de Washington ‘Seu Menino’- Cia Bokemboka’’, “Do Gramofone à Grande Tela” e “Volta”.

Em seguida participou do Curso Imersão Audiovisual Núcleo de Cinema, contemplado pelo Fundo Estadual de Cultura de Goiás como ministrante dos módulos ‘Luz e Fotografia’e ‘Criação e Produção de Vídeo’ e realizou a cobertura do espetáculo de encerramento da Escola de Dança de Anápolis “Malévola”.

Carlos César Santos (Cesinha) começou sua trajetória no Teatro, na década de 80, em Anápolis, sua cidade natal. ( Foto: W . Gouveia )

Carlos César Santos (Cesinha) começou sua trajetória no Teatro, na década de 80, em Anápolis, sua cidade natal. ( Foto: W . Gouveia )

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • 1 Comentário

    1. Marly Severino dos Santos disse:

      Que maravilha! Linda trajetória.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Protected by WP Anti Spam