Mais um nome da Liga da Justiça

Moro quer Deltan Dallagnol na PGR para substituir Dodge

Procurador ficou famoso pela sua participação na força-tarefa da Lava Jato

“Não reconhecemos Bolsonaro como presidente”
20 de novembro de 2018
“Que culpa tenho eu se as pessoas gostam do Pica do 7? Os meus ideais são os mesmos”
20 de novembro de 2018


O futuro ministro da Justiça, juiz federal Sérgio Moro, Dodge e Deltan Dallagnol (Youtube)

A revista Veja adiantou neste domingo (18) que o futuro ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro, deseja nomear Deltan Dallagnol como titular
da Procuradoria Geral da República (PGR) no lugar de Raquel Dodge.

Famoso por ter liderado a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Dallagnol junto com sua equipe acusaram e tornaram réus por corrupção 347
pessoas. Das 87 condenadas à prisão está o ex-presidente Lula. A afinidade de Moro com o procurador paranaense é conhecida e sua indicação parece
natural.

Dodge tem mandato de dois anos, terminando em setembro próximo do ano que vem. A possibilidade de ela ser reconduzida é mínima. Embora seja
hábito a escolha do novo procurador-geral por meio da lista tríplice definida por eleição da Associação Nacional dos Procuradores da República
(ANPR), não é um preceito constitucional.

A lei em vigor no país estabelece que o candidato tenha mais de 35 anos e faça parte da carreira de procuradores. Dallagnol preenche os dois
requisitos.

Seguidor de Jesus
Deltan Dallagnol é membro da Igreja batista do Bacacheri, em Curitiba, desde a infância. A biografia de seu perfil nas redes sociais deixa claro
quais são as suas prioridades na vida:

“Seguidor de Jesus, Marido e Pai Apaixonado, Procurador da República por Vocação e Mestre em Direito por Harvard”.

Em 2016, perguntado sobre o que planeja no futuro, não confirma que deseja uma carreira política, seu plano parece ser outro. “Eu descartaria
poucas coisas em relação a meu futuro, cogito talvez até virar pastor. Mas nós focamos no presente”, assegurou.

No início deste ano foi massacrado pelo PT e por parte da mídia após divulgar em suas redes sociais que participava de uma campanha de jejum e
oração pelo país.

Em entrevista à Jovem Pan disse que sua postura não viola o conceito de Estado laico.

“Eu sou cristão, como todos sabem, isso faz parte da minha identidade. Eu oro pelo meu país. A minha oração e jejum são pela causa anticorrupção e contra a impunidade, não em relação a uma ou outra pessoa específica”.

Link original da matéria:
https://noticias.gospelprime.com.br/sergio-moro-deltan-dallagnol-pgr/?utm_source=onesignal&utm_medium=pushnotification&utm_campaign=gospelprime

https://youtu.be/cYnQi_pgqL4

 

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • 1 Comentário

    1. Gildo Ribeiro disse:

      Tem que colocar mesmo gente de boa índole para prestigiar as instituições brasileiras.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Protected by WP Anti Spam