Empregabilidade:

Ensino superior aumenta chances no mercado de trabalho

Além de melhores oportunidades, graduados possuem maiores salários

Bolsonaro escolhe Anderson Correia como ministro da Educação
30 de março de 2022
Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos
1 de maio de 2022

Uma simples pesquisa na internet por vagas de emprego já é capaz de sinalizar a quantidade de postos de trabalhos que exigem ensino superior como requisito básico para se tornar um candidato.

Uma simples pesquisa na internet por vagas de emprego já é capaz de sinalizar a quantidade de postos de trabalhos que exigem ensino superior como requisito básico para se tornar um candidato.

 

É um direcionamento

do mercado de trabalho que se consolidou ao longo das últimas décadas e revela uma tendência que deve se tornar ainda mais efetiva nos próximos anos.

 

O Dia da Educação,

comemorado em 28 de abril, é uma data que convida a sociedade a refletir sobre a importância do tema, principalmente no que diz respeito à educação como uma ferramenta de transformação para a sociedade, capaz de assegurar mais oportunidades e competividade na conquista e manutenção de um emprego, com melhores salários e cargos.

 

Para o pedagogo

e professor do curso de Pedagogia da Faculdade Anhanguera, Jean Lima, à medida que a taxa de escolaridade da população aumenta, é natural que o mercado de trabalho também amplie seu nível de exigência na qualificação da mão de obra. “Percebemos o avanço da sociedade em diferentes áreas, e consequentemente, a exigência de profissionais cada vez mais capacitados e especializados. A formação superior de qualidade é o melhor caminho para o sucesso nessa jornada”, revela.

 

Um dos indicadores

que comprovam a importância da educação na transformação da sociedade é o estudo realizado entre agosto e outubro de 2021 pelo Instituto Semesp – entidade que representa mantenedoras de ensino superior no Brasil –, que aponta um crescimento salarial para profissionais com ensino superior completo. O levantamento, feito com mais de 8.500 egressos e alunos de graduação do país, permite identificar a migração entre as faixas de rendimento mensal no período antes e após a graduação. Por exemplo, a quantidade de pessoas que recebem remuneração acima de R$ 5 mil teve crescimento de 135% após a conclusão do ensino superior.

 

Já entre os estudantes

que recebiam até R$1.000,00-  mil reais mensais antes de terminar o curso, pelo menos 91,4% apresentaram rendimento superior a esse valor após a conclusão. Aqueles que recebiam entre R$ 2.000,00 e R$ 3.000,00 mil antes do encerramento do curso, cerca de 66,8% avançaram para um rendimento acima de R$ 3.000,00 mil. O mesmo levantamento mostra, ainda, que antes de concluir o curso de nível superior, apenas 2,9% recebiam acima de R$ 5.000,00 mil.

Já após a conquista do diploma, esse percentual saltou para 26%.

 

Dados da pesquisa

apontam também que 78,8% dos egressos de instituições privadas consideram a graduação importante para entrar no mercado de trabalho.

“A educação é ferramenta de transformação na vida dos cidadãos, de várias formas, seja como uma mudança na realidade financeira de muitas famílias ou permitindo novas oportunidades e servindo de inspiração”, destaca o professor.

 

O ingresso no ensino superior

possui diversos atrativos, tais como o aumento da renda, maior acesso a saúde, bens e serviços e até mesmo a continuidade dos estudos; porém, o principal é transformar sonhos em realidade.

 

O ingresso no ensino superior  possui diversos atrativos, tais como o aumento da renda, maior acesso a saúde, bens e serviços e até mesmo a continuidade dos estudos; porém, o principal é transformar sonhos em realidade

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Os comentários estão encerrados.