Notícias : Mundo» Notícias

Perda de apoio!!!

Por que a convocação de eleições na França pode ser um tiro no pé para Macron

"Frente Popular" anunciaram a intenção de reformular a aliança sem o mandatário francês.

Os resultados eleitorais negativos dos aliados de Emmanuel Macron no Parlamento Europeu – conquistaram apenas 13 assentos – levaram o presidente a tomar uma medida drástica – e arriscada – de dissolver a Assembleia Nacional, antecipando as eleições do país para este mês.

A justificativa de Macron foi que a França precisa de “uma maioria clara em serenidade e harmonia”, declaração presente em um discurso logo após a primeira apuração apontar uma vantagem da direita, liderada por Marine Le Pen e Jordan Bardella, no pleito.

No cenário ideal do líder francês, sua presidência beneficiaria a esquerda e enfraqueceria a direita durante as tratativas com os partidos para as eleições parlamentares.

No entanto, essa proposta de realidade pode não ser concretizada como ele espera.

Nesta sexta-feira (14), partidos de esquerda que fazem parte da “Frente Popular” anunciaram a intenção de reformular a aliança sem o mandatário francês.

O novo acordo será formado pelo Partido Socialista, principal força da centro-esquerda francesa; pelo França Insubmissa; Partido Verde; e pelo Partido Comunista.

A nova aliança, anunciada nesta sexta, rompe com as políticas criadas pelo governo Macron, incluindo as polêmicas reformas de imigração e pensões.

Na terça-feira (11), o líder dos Republicanos (LR, na sigla em francês), partido de centro-direita da França, já havia proposto uma aliança inesperada com o partido de direita nacionalista Reagrupamento Nacional (RN), de Marine Le Pen, para as eleições parlamentares antecipadas no país, que serão realizadas em 30 de junho e 7 de julho.

Se o RN alcançar uma maioria absoluta no pleito, Emmanuel Macron será forçado a nomear como primeiro-ministro um de seus líderes, possivelmente Jordan Bardella – o presidente do RN que guiou a direita até a vitória nas eleições do Parlamento Europeu.

Um dia depois dos resultados provisórios serem publicados, o vice-presidente do partido, Sébastien Chenu, anunciou a escolha de Bardella como candidato ao cargo de premiê, com a vitória da direita.

Constitucionalmente, o mandatário francês não tem essa obrigação, mas se recuar nesse sentido, é muito provável que o futuro governo nomeado utilize o voto de censura para bloquear sua governabilidade.

O RN detém atualmente 88 assentos na Assembleia Nacional e precisaria de aumentar esse total para 289 para deter a maioria absoluta do Parlamento.

Enquanto isso, nos últimos dois anos, Macron tem enfrentado uma ameaça constante com a perda de apoio na Assembleia, acumulando 250 deputados aliados, poucas dezenas de uma maioria absoluta.

Para conseguir adotar algumas legislações fundamentais de sua gestão, incluindo a altamente impopular reforma das pensões, o presidente e o seu primeiro-ministro precisaram usar ferramentas constitucionais para aprová-las sem a necessidade de uma votação no Parlamento.

O avanço da direita nas eleições internas francesas e o afastamento da esquerda podem tornar ainda mais turbulento seu apoio parlamentar e não há perspectivas de formar uma maioria clara.

Macron afirmou repetidamente a sua vontade de formar uma coligação governamental com os Republicanos, uma aliança que poderia trazer a tão sonhada maioria absoluta no Parlamento.

No entanto, o partido conservador resistiu repetidamente à tentativa do presidente e, até o domingo das eleições europeias, estava decidido a não se associar com Macron nas próximas eleições.

Ainda, existe a possibilidade da renúncia de Macron da presidência da França,

algo que é improvável, mas foi levantado por um conselheiro do presidente, que comentou sobre a

intenção dele em convocar eleições antecipadas para reafirmar sua liderança nacional.

Sou o único que não está a arriscar nada, disse o mandatário, na ocasião.

Segundo análises de jornais europeus, não está claro se o fim da presidência de Macron significaria o fim de sua carreira política. Embora ele não possa concorrer a um terceiro mandato consecutivo, ainda teria tempo pela frente para tentar uma terceira candidatura futuramente.

Outra possibilidade com as novas eleições é que o presidente francês poderá aumentar ainda mais seus poderes no Executivo, o que é permitido pela constituição francesa, tendo como consequência o enfraquecimento do Legislativo.

Por:Isabella de Paula

 

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Gildo Ribeiro

    Gildo Ribeiro é editor do Grupo 7 de Comunicação, liderado pelo Portal 7 Minutos, uma plataforma de notícias online.

    Artigos relacionados

    Verifique também
    Fechar
    Botão Voltar ao topo