Notícias : Política» Notícias

Polarização política

Direita é maior que esquerda no Brasil, mas precisa se livrar do clientelismo

Direita, sim, pero no mucho.

É mais ou menos dessa forma que alguns cientistas políticos ouvidos pela reportagem da Gazeta do Povo avaliam o avanço recente do campo conservador no Brasil – comprovado por uma pesquisa realizada no início de março pelo Ipec.

Para eles, os brasileiros, mesmo alinhados com o direitismo, ainda defendem ideias típicas da esquerda. Acima de tudo no tocante à participação do Estado na economia e na vida pública.

De acordo com o levantamento, 24% dos eleitores do país dizem ser de direita, enquanto menos da metade, 11%, posicionam-se à esquerda.

Os dados ainda mostram que 20% são de centro, 25% de centro-direita e 11% de centro-esquerda (o restante dos entrevistados não sabe ou não respondeu).

Ou seja: somando direita com centro-direita, é possível afirmar que 45% dos brasileiros simpatizam, para dizer o mínimo, com as teses direitistas.

No entanto, segundo o professor Cláudio Preza, da PUC do Rio Grande Sul, verifica-se no Brasil um paradoxo que ele chama de conservadorismo clientelista.

Muitas pessoas não concordam com as pautas de costumes progressistas, especialmente aquelas defendidas pelos mais jovens.

Mas, ao mesmo tempo, mantêm o desejo de que o Estado permaneça as servindo por meio do assistencialismo. É a servidão cívica, diz.

Para Preza, o fenômeno se retroalimenta negativamente. E o resultado desse círculo vicioso é que o Estado jamais consegue se organizar para prestar serviços públicos realmente de qualidade – fazendo uso apenas de soluções paliativas.

E completa:

No Brasil, as coisas estatais que funcionam minimamente, como, por exemplo, o metrô de São Paulo ou o próprio SUS,

só existem porque, do contrário, haveria uma guerra civil.

Lucas Grassi, doutor em Política pela Universidade de Exeter, no Reino Unido, chama a atenção para o fato de que a direita brasileira despreza alguns princípios básicos do conservadorismo clássico.

Entre eles o estímulo à educação como forma de transmitir valores civilizacionais para as próximas gerações –

em vez de priorizar somente cursos que tenham alguma utilidade profissional.

Para a maioria da direita brasileira, as faculdades ‘boas’ são as de Engenharia e Medicina.

Pouca gente está refletindo sobre o real valor da universidade, afirma.

Grassi, que atualmente reside na cidade americana de Baltimore, ainda cita o princípio da prudência política.

Em vez de agir com cautela, evitando mudar a todo momento para não piorar, as pessoas precisam sempre de um novo um homem forte no topo, para governar de cima para baixo.

De acordo com ele, é preciso abrir o capô desse carro para ver o que tem no motor.

Em suma: até que ponto os eleitores entrevistados pelo Ipec realmente são de direita ou conservadores?

Acho que o Ipec deveria fazer outra pesquisa para saber se essas pessoas realmente sabem o que é ser conservador, afirma.

Para especialistas, a direita, além de numerosa, está mais unida 

Mais otimista, Mário Sérgio Lepre, docente da PUC do Paraná, acredita que o perfil do direitista brasileiro está mudando.

Tem muito mais informação circulando, principalmente de celular para celular.

Isso tende a diminuir a inclinação ao fisiologismo político.

Outra transformação da sociedade, segundo ele, pode ser exemplificada pela recente rejeição dos motoristas de aplicativo à possibilidade de se tornarem empregados.

O caso do Uber mostra que tem muita gente querendo se fazer por si própria, sem a dependência estatal.

Mas Graci, mesmo cético, aponta um trunfo da direita brasileira atual – ela não é apenas mais numerosa, também está mais unida.

Há um senso de urgência, até mesmo pelas ameaças do STF, que faz os direitistas se juntarem para sobreviverem.

A esquerda, por outro lado, encontra-se dividida entre os progressistas/woke e os socialistas tradicionais, que ainda pensam o mundo a partir da luta de classes.

Além disso, diz o cientista político, a direita finalmente iniciou uma cruzada cultural a longo prazo, por meio de editoras, institutos, think tanks, canais do YouTube, eventos, etc.

“Durante muitos anos, os conservadores foram ingênuos.

Acharam que o brasileiro era um ‘bom cidadão’ e tudo daria certo. Enquanto a esquerda, especialmente durante o regime militar, construiu um diálogo com as escolas, os artistas, a televisão.”

Cientistas políticos indicam os caminhos da direita e da esquerda na eleição deste ano

Na avaliação de Lucas Grassi, a pesquisa do Ipec tem um foco bem definido: o marketing político.

Sendo assim, como deve ser a estratégia da esquerda e da direita nas eleições municipais deste ano – e com vistas na disputa de 2026?

“Os dois campos terão de basear sua comunicação, de forma genuína ou fingida, na fatia intermediária da população. O eleitor mediano ainda é o rei”, afirma.

Rodrigo Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, também aponta para o centro – onde, principalmente a esquerda, deve investir com mais ênfase.

Os anos de governo Bolsonaro fortaleceram o campo da direita e isso pode ser empiricamente verificado nos números do Ipec.

O recado   mais claro desse levantamento é que o governo deve buscar apoio e melhor avaliação naqueles que se colocam no centro, com 20% dos entrevistados, diz.

Outra tática da esquerda, segundo Cláudio Preza, será apostar na sua pauta econômica clássica, calcada no desenvolvimentismo. E jamais endossar “de peito aberto” as reivindicações identitárias.

A gente só vai ver isso acontecer, a partir de agora, se houver um evento trágico para a sociedade. Um caso de pessoa agredida ou morta.

Só se for uma situação que vá contra os direitos fundamentais do indivíduo”, afirma.

Já a direita, de acordo com Mário Sérgio Lepre, deve partir para o corpo a corpo – o chamado “trabalho de base”.

Os parlamentares precisam conversar mais com os prefeitos, passear pelos estados.

É importante visitar os municípios menores e conversar diretamente com os eleitores sobre a situação dos hospitais, das escolas.

De acordo com Rodrigo Prando, o caminho, pelo menos neste momento, parece estar mais fácil para os direitistas.

Acima de tudo por causa de sua comunicação com a população, marcada por uma efetividade maior.

Por essas e outras, ele acredita que uma pergunta talvez deva ser feita desde já: “Quem será o herdeiro do espólio eleitoral de Bolsonaro na próxima eleição presidencial?”.

Por: Omar Godoy


Os respondentes disseram onde se encaixam no espectro político com uma nota entre 0 (esquerda) e 10 (direita).
Gráfico: Eli Vieira para Gazeta do PovoFonte: IpecDescarregar estes dadosDescarregar imagemCriado com Datawrapper
  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Gildo Ribeiro

    Gildo Ribeiro é editor do Grupo 7 de Comunicação, liderado pelo Portal 7 Minutos, uma plataforma de notícias online.

    Artigos relacionados

    Botão Voltar ao topo