Um jogo de Mestre,

Bolsonaro nomeia 7 indicados de Weintraub ao Conselho Nacional de Educação

Antes de anunciar o novo ministro da Educação, o presidente Jair Bolsonaro nomeou 12 membros novos ao CNE e causou revolta entre organizações do setor

Liberada mais uma parcela do Auxílio Alimentação para estudantes goianos
20 de julho de 2020
Bolsonaro veta autorização para transferência de dinheiro da merenda escolar para familiares dos alunos
19 de agosto de 2020

Um verdadeiro Jogo de Mestre. Jair Bolsonaro (sem partido) aprovou a lista dos novos membros do Conselho Nacional de Educação (CNE) com vários nomes indicados pelo ex-ministro Abraham Weintraub antes de deixar a pasta.

Um jogo de Mestre,

Antes de fazer a nomeação do pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aprovou a lista dos novos membros do Conselho Nacional de Educação (CNE) com vários nomes indicados pelo ex-ministro Abraham Weintraub antes de deixar a pasta.

Entre os nomeados por decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) nesta sexta-feira, há estudante do escritor Olavo de Carvalho e adeptos do movimento Escola Sem Partido.

A maioria é formada por perfis conservadores.

Dos 12 novos membro nomeados por Bolsonaro, sete foram indicados por Weintraub e nenhum representa o Conselho de Secretários Estaduais de Educação (Consed) ou a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

A nomeação provocou revolta entre as organizações de ensino, que até a nova formação tinham vaga no CNE.

“Ignorar as indicações das instituições responsáveis pela gestão dos sistemas públicos de educação e desconsiderar as representações de 27 redes estaduais e 5.568 redes municipais vai na contramão da instituição do Sistema Nacional de Educação”,

publicaram o Consed e a Undime, em nota conjunta de repúdio aos critérios utilizados pelo governo para composição do conselho.

A nota cobra medidas legais para impedir a atitude considerada arbitrária.

“Para coibir decisões equivocadas que não respeitam e não consideram a importância da articulação entre as três instâncias federativas, faz-se necessário e urgente que o Congresso Nacional regulamente o SNE (Sistema Nacional de Educação), estabelecendo em lei nova forma de composição do CNE, com a devida representação paritária das três esferas de governo.”

O Conselho Nacional de Educação é responsável por deliberações importantes do setor, como diretrizes educacionais, curriculares e aprovações de cursos superiores. Diante da pandemia de covid-19, decisões de como se dará a retomada das aulas presenciais e as propostas para readequar o calendário escolar também passam pelo conselho, que é um órgão de assessoramento do Ministério da Educação (MEC).

Novos membros do CNE

O Conselho Nacional de Educação (CNE) é formado por 24 membros, com mandato de quatro anos, podendo ser prorrogado por mais dois.

A nomeação feita por Bolsonaro refere-se a 12 desses mandatos, que venceriam nesta sexta-feira. O presidente estaria aguardando a nomeação do novo ministro da Educação para aprovar os nomes, mas acabou os validando horas antes de comunicar que Milton Ribeiro assumiria o MEC.

A lista dos novos representantes do CNE inclui

  • Tiago Tondinelli, olavista que foi chefe de gabinete do ex-ministro da Educação Ricardo Vélez;
  • Valseni Braga, diretora do sistema Batista de Educação; e
  • Gabriel Giannattasio, professor de história da Universidade Estadual de Londrina (UEL) que também agrada o grupo olavista. Esses vão integrar a câmara da educação básica do conselho.

Outras pessoas ligadas à alfabetização da ala ideológica do governo foram nomeadas.

Entre elas:

  • William Ferreira da Cunha, que atua na secretaria de Alfabetização do Ministério da Educação (MEC), comandada pelo olavista Carlos Nadalim; e os professores com pesquisas na área
  • Fernando Capovilla e
  • Augusto Buchweitz. Teve também
  • Amábile Pácios, vice-presidente da Federação Nacional de Escolas Particulares.

Na câmara da educação superior, tem:

  • Aristides Cimadon, reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc);
  • Wilson de Matos Silva, dono da Unicesumar;
  • José Barroso Filho, ministro do Superior Tribunal Militar; e
  • Anderson Luiz Bezerra da Silveira, professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Link original da matéria:
https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/07/10/interna_politica,871235/bolsonaro-nomeia-7-indicados-de-weintraub-ao-conselho-nacional-de-educ.shtml

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Deixe uma resposta