#MamataConnection

Os ‘patrocinadores privados’ do Manhattan Connection

O Twitter amanheceu bastante movimentado na manhã desta segunda-feira (5) após a hashtag #MamataConnection alcançar o topo dos assuntos mais comentados da rede social.

Advogado quer proibir a exibição da novela Os 10 Mandamentos
5 de abril de 2021
Gilmar Mendes mantém proibição de missas e cultos em SP
6 de abril de 2021

O Twitter amanheceu bastante movimentado na manhã desta segunda-feira (5) após a hashtag #MamataConnection alcançar o topo dos assuntos mais comentados da rede social.

Com mais de 300 mil menções, o tópico faz menção ao programa de televisão Manhattan Connection, que aborda temáticas sobre políticas econômicas.

Porém, o que levou o assunto a liderar na rede foi a veiculação de um suposto contrato milionário assinado com a TV Cultura. O documento compartilhado por centenas de internautas sugere que a atração teria recebido R$ 8 milhões para licenciamento pelos próximos 5 anos.

O suposto extrato de contratação teria sido emitido pela Fundação Padre Anchieta, entidade instituída pelo Governo do Estado de São Paulo em 1969, que é mantida por dotações orçamentárias do Estado e recursos próprios obtidos na iniciativa privada.

O site O Antagonista também passou a ser acusado de ser beneficiado pelo montante, uma vez que o jornalista Diego Mainardi, que faz parte da equipe do portal, foi apontado como alguém que teria ligações diretas com a Blend Negócios, Divulgação e Editoração Ltda., empresa que consta como licenciada.

Outra suposta informação que passou a circular na internet aponta que a Blend teria sido criada apenas um dia antes da concretização do negócio entre as duas partes, em 28 de dezembro de 2020. O acordo com a Fundação Padre Anchieta teria sido assinado em 29 de dezembro.

O que diz O Antagonista

Ainda na manhã desta segunda-feira, 5, Diego Mainardi usou a plataforma de O Antagonista para emitir algumas linhas textuais sobre o ocorrido.

No portal, ele disse que o vereador Carlos Bolsonaro insinuou que o portal recebeu oito milhões de reais para atacar o presidente Jair Bolsonaro, pai do parlamentar.

Porém, segundo Diego Mainardi,

“o Manhattan Connection é 100% financiado por patrocinadores privados. Esses patrocinadores, todos eles captados pela Blend, depositam o dinheiro do patrocínio na TV Cultura, que repassa uma parte para a Blend, conforme estabelecido no contrato de parceria entre as duas empresas. A TV Cultura, portanto, só ganha com isso. Se os patrocinadores privados desistissem de anunciar no programa, ele acabaria no dia seguinte, porque a TV Cultura não é responsável por seu financiamento, nem pelo pagamento dos salários de seus apresentadores. A propósito, nenhum apresentador do Manhattan Connection é sócio da Blend.”

Mainardi pontuou que O Antagonista não tem nada a ver com o Manhattan Connection.

“O Antagonista, claro, não tem nada a ver com o Manhattan Connection, exceto por mim, que sou sócio do site e recebo um salário da Blend por meu trabalho no programa de TV, que iniciou em 2003. Na maioria das vezes, ignoro as tentativas dessa gentalha asquerosa de emporcalhar o trabalho do site; nesse caso, porém, o ataque envolve outras pessoas, de outras empresas, que não têm nada a ver com O Antagonista e não merecem ser jogadas no esgoto bolsonarista. Os milicianos digitais tiveram o mérito de arrumar um bom apelido para o programa – ‘Mamata Connection’. Apesar disso, a mentira continua sendo uma mentira. E a mamata deles vai terminar em 2022”, declarou o jornalista.

O que diz a TV Cultura

A TV Cultura, por sua vez, negou qualquer pagamento no valor de R$ 8 milhões de reais à produtora do programa ‘Manhattan Connection‘.

Questionada pelo site Teleguiado, a direção da emissora afirmou que tudo não passa de ‘fake news‘ e garantiu que tomará “providências jurídicas para o restabelecimento da verdade”.

Leia a nota na íntegra, em itálico, que foi veiculada pelo Teleguiado:

Nota oficial da TV Cultura

Em decorrência de fake news envolvendo o programa Manhattan Connection, exibido pela TV Cultura, publicadas na manhã desta segunda-feira (5/4), a Fundação Padre Anchieta vem esclarecer que trata-se de contrato de parceria estabelecido entre Blend Negócios Divulgação e Editoração Ltda. e a FPA (TV Cultura), voltados para a produção e a exibição do programa Manhattan Connection.

A Blend Negócios Divulgação e Editoração Ltda. (Blend”), é empresa produtora independente, que detém os direitos de produção e de exploração de um produto audiovisual, destinado à exibição por televisão, com marca “Manhattan Connection”.

A Fundação Padre Anchieta é detentora do direito de exploração de emissora de radiodifusão por sons e imagens, que adota a denominação figurativa “TV Cultura”.

Pelo contrato de parceria, a Blend assume a total e integral responsabilidade e custos pela produção do programa “Manhattan Connection”, inclusive a remuneração de todos os seus participantes, entregando, semanalmente, um programa pronto e acabado, para exibição pela TV Cultura.

A remuneração da Blend para a disponibilização do conteúdo do programa ocorre exclusivamente pela participação no resultado financeiro mensal que for obtido com comercialização das quotas de patrocínio na exibição.

O extrato do contrato foi publicado no portal de transparência da TV Cultura e o montante nele indicado, de R$ 8.064.000,00 é uma estimativa, se o contrato vier a ser cumprido, em sua integralidade, e atingida a expectativa financeira, no período de cinco anos.

Trata-se de notícia tendenciosa que distorce e falseia os fatos, e que merecerá prontas providências jurídicas para o restabelecimento da verdade.

Opinião sobre o caso

Diante da repercussão acerca do presente caso, e considerando que as explicações trazidas pelas partes envolvidas ainda se mostram inconclusivas, faz-se necessário que os tais ‘patrocinadores privados’ do Manhattan Connection venham a público para pôr fim à polêmica em torno do financiamento da atração.

A legislação brasileira garante que os sócios de um determinado projeto sejam mantidos na condição de anonimato, no entanto, pela própria natureza do modelo de negócio adotado pelo programa televisivo, em que a credibilidade não pode ser um critério à mercê da própria conveniência, revela-se pertinente que a problemática seja esclarecida sem que haja, por exemplo, a propositura de medidas investigativas, como já sugerem alguns deputados paulistas que planejam colher assinaturas para eventual instalação de uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP).

Link original da matéria:
https://conexaopolitica.com.br/ultimas/os-patrocinadores-privados-do-manhattan-connection/

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Protected by WP Anti Spam