Petismo repaginado

A sensação no fim daquele domingo foi tão ruim, um aperto no peito tão forte, que até hoje não esqueço.

Dilma acabava de ser reeleita e eu só tinha uma certeza: sob a batuta do PT e de uma presidente inadequada, o Brasil continuaria indo para o buraco.

O resto é história. A dinastia petista terminou de maneira traumática, porém merecida. Em um País onde sempre houve corrupção, nunca se
roubou tanto. Em um terreno fértil para o populismo, jamais se abusou tanto da retórica para dividir a sociedade com o intuito de
permanecer no poder, incluindo ataques desavergonhados à imprensa.

Em um ambiente talhado para o estabelecimento de relações promíscuas nas esferas governamentais, a ciranda de favores viveu seu grande momento.
Eu só não podia imaginar que o petismo continuaria a toda mesmo após a derrocada do PT.

Vale dizer, o único aspecto que no momento diferencia o atual governo das gestões Lula e Dilma é a corrupção.

Não que isso seja um diferencial louvável — além de se tratar de uma conduta criminosa, dificilmente o País testemunhará outro assalto aos cofres públicos tão espetacular. De resto, com menos de um mês entronado, Jair Bolsonaro e seus mosqueteiros seguem fielmente a cartilha que tantos danos trouxe ao País.

Ou não é verdade que o próprio presidente e membros do governo passam horas diárias fomentando intrigas nas redes sociais? Eles desferem
ataques aos que ousam questionar os primeiros passos da gestão, rotulando-os com toda sorte de adjetivos, ameaçando e desqualificando
veículos de imprensa.

Ou não é real que, em vez do tão propalado critério técnico, comportamentos escusos têm se sucedido logo de cara, como a nomeação de preferidos?

É gente que passou meses tecendo loas à doutrina do bolsonarismo em artigos ou blogs. E a vergonhosa nomeação do filho do vice-presidente no Banco do Brasil?

Sem falar, claro, no episódio Fabrício Queiroz, ainda obscuro, mas já farto de indícios que comprovam o quão desprovida de substância foi a propaganda eleitoral de Jair Bolsonaro quando anunciava o princípio de uma nova era.

Assim como a maioria dos brasileiros, torço fervorosamente para o bom trabalho de Paulo Guedes e Sergio Moro.

O sucesso de ambos, afinal, se confunde com o sucesso do Brasil.

Apenas não me iludo com a postura ética desse governo. Não tenho motivos para isso. Muito pelo contrário.

Torço pelo bom trabalho de Paulo Guedes e Sergio Moro, apenas não me iludo com a postura ética desse governo.

Não tenho motivos para tanto

By Mario Vitor Rodrigues
IstoÈ

Leave a comment

Protected by WP Anti Spam