Crítica:

“La Casa de Papel” 5ª temporada Parte 1

Em continuação a quarta temporada, “La Casa de Papel” traz ainda mais tiroteios e mortes inusitadas que nos deixam ainda mais aflitos

Círculo de Fogo “picotado” na Globo gera revolta e memes; veja os melhores
6 de setembro de 2021
‘Matrix 4’: trailer mostra o ressurgimento de Keanu Reeves como Neo
9 de setembro de 2021

A quinta temporada de “La Casa de Papel” chegou a plataforma de streaming Netflix com apenas 5 episódios da parte 1, o que para os ansiosos pode ser uma tormenta.

Já faz mais de 100 horas que a missão no Banco da Espanha começou.

O grupo de assaltantes conseguiu resgatar Lisboa, mas não há motivos para comemorar — muito pelo contrário: o momento é de tensão e luto.

O Professor foi capturado por Sierra e, pela primeira vez na vida, ele não tem um plano de fuga. E quando parecia que a situação não tinha como piorar, aparece um inimigo muito mais poderoso do que qualquer outro que já enfrentaram: o exército. O maior roubo da história está chegando ao fim — e aquilo que começou como um assalto está prestes a se transformar em guerra.

A parte 5 da icônica série será lançada em dois volumes, nos dias 3 de setembro e 3 de dezembro de 2021.

A quinta temporada de “La Casa de Papel” chegou a plataforma de streaming Netflix com apenas 5 episódios da parte 1, o que para os ansiosos pode ser uma tormenta.

Com a proposta de continuar de onde parou na quarta temporada, as coisas pareciam ir bem. Estratégias cada vez mais elaboradas e planos que hora dão certo, hora não.

A parte do tiroteio presente nas outras temporadas se fez ainda mais marcante, porém a infinidade de munições descarregadas tornam as cenas um tanto quanto fantasiosas até demais.

A proposta de contar um pouco a história dos integrantes é interessante uma vez que gostamos de saber como tudo começou.

O porém, é que quando o foco fica apenas em um dos personagens, uma lacuna em branco aparece para no gerar ainda mais dúvidas.

Confira o Trailer:

Sem entregar muito, posso dizer que uma história em paralelo que ocorre no meio da temporada, na minha opinião, serviu apenas para o momento nostalgia com um certo personagem que amamos.

Dois ponto que me chamam à atenção na série são o fato de como uma força policial de cunho internacional pode se corromper tão facilmente e os elementos que são inseridos forçadamente para pluralizar o contexto da obra, como quando acontece uma discussão para saber se o bebê usaria azul ou rosa.

Antes de qualquer polémica a respeito da questão gênero, quando digo que foi inserido de maneira forçada, minha opinião se dá por conta de termos em toda a temporada, apenas uma cena a qual aborta o tema.

O fato de Denver ter uma prima transexual, reforça a ideia da inclusão do assunto, porém em uma temática altamente violenta tudo isso se torna irrelevante, pois não é abordado de maneira contundente.

Minha avaliação para esta temporada é que serviu para ressuscitar as forças da plataforma junto com outros lançamentos que estão por vir no mês de setembro.

A Netflix que reinou por um longo período de maneira absoluta por ser novidade no mercado de consumo em entretenimento, agora tem fortes concorrentes como Amazon Prime, Disney Plus, HBO Max entre outros.

Ficha Técnica
Título Original: La Casa de Papel
Duração: 258 minutos
Ano produção: 2021
Estreia: 03 de setembro de 2021
Distribuidora: Netflix
Dirigido por: Jesús Colmenar, Koldo Serra
Classificação: 16 anos
Gênero: Policial, Suspense
Países de Origem: Espanha

NOTA 9

By: Henrique Kotnick

Link original da matéria:
https://jornaldebrasilia.com.br/blogs-e-colunas/hashtag-cinema/critica-la-casa-de-papel-5a-temporada-parte-1/

 

“La Casa de Papel” traz ainda mais tiroteios e mortes inusitadas que nos deixam ainda mais aflitos

O grupo de assaltantes conseguiu resgatar Lisboa, mas não há motivos para comemorar — muito pelo contrário

  • Fonte da informação:
  • Leia na fonte original da informação
  • Os comentários estão encerrados.